segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Tempestade



Tempestade
Ouço o som do vento
Um lamento sem fim.
Confunde-se com o tempo.
Seria meu pensamento?
Apenas um sentimento?
Tempestuosa sensação
Parece algo a explodir
Que invade meu coração
É isso, eis o momento!
É fato, é ato!
É grito na escuridão!
Por Milene Barazzetti

Participação na Feira Literária da EMEI Aldo Pohlmann - NH







Como é bom retornar a uma escola que tem uma caminhada com a literatura e a arte já a muito tempo. Hoje pela manhã contei histórias na abertura da Semana Literária. Aproveitei para fazer estréia da história "O que cabe num livro", de Ilan Brenman, um dos escritores já confirmados para a Feira do Livro de Novo Hamburgo, que acontece em outubro. Também contei as histórias que já estão no meu coração e no meu repertório a algum tempo: "Tininha Cereja", de Celso Sisto; e "A melhor família do mundo", de Susana Lopéz. Hoje a tarde tem mais!! 

domingo, 25 de agosto de 2013

O mistério de Cássia



Camila gostava de dançar. Desde os seis anos tentava ser a melhor bailarina do estúdio de dança.
Gostava de dançar, mas era muito espevitada e atrapalhada. Entre pliês, arabesques e piruetas Camila sempre acabava caindo. A professora dizia que ela era especial por conseguir cair de várias maneiras, às vezes parecendo até um caracol.  O pior não é isso. Ela também derrubava suas colegas de dança, que acabavam sempre com alguns machucados.
Até derrubar Ana Botafogo em uma visita ao estúdio ela conseguiu. O maior vexame! Fato inesquecível.
 Mesmo com toda essa atrapalhação, quando colocava sua malha rosa, seu tutu e fazia um coque em seus cabelos parecia que entrava em outro mundo. Era uma bailarina.  Mas não uma bailarina como Cássia.
Cássia era tão perfeita. Quando chegava na aula todos olhavam para ela. Seu brilho era algo indescritível. Sempre arrumada, perfumada, sem perebas e calos nos pés (o que é quase impossível para uma bailarina clássica).  
Aliás, este era o grande mistério. A jovem parecia não ter nenhum tropeço.  O pior de tudo é que era educadíssima, dava nojo de ver.
- Eu ainda vou descobrir o que tem por trás desta brilhante Cássia. Vocês vão ver! Não sei como vocês não se incomodam com a Srª Perfeita – dizia Camila para suas colegas.
- Vixi! Lá vem a doidinha inventando moda de novo. Para de invejar e vê se treina as piruetas para não passar vergonha no teste de seleção do espetáculo deste ano. – respondia Lana, sua melhor amiga.
Mas Camila era teimosa demais. Naquele dia ela decidiu que iria seguir Cássia até a casa dela e ver se descobria alguma coisa.
Camila a seguiu muito sorrateiramente, afinal ela não poderia perceber.
Espiou na janela da cozinha.  A casa era toda branca, com janelas grandes. Os móveis eram milimetricamente arrumados. Tudo muito claro, limpo. Havia quadros e fotos pela sala. Na mesa de centro, alguns livros.
Cássia estava na cozinha. Abriu a geladeira e pegou uma garrafa com um líquido azul. Bebeu. Cada vez que ingeria mais do líquido, seu rosto brilhava em tom furta-cor. Soltou os cabelos que pareciam liberar purpurina de tanto brilho.
Subiu as escadas que levavam ao andar de cima.
A sua gata branca, com olhos grandes amarelos a acompanhou. Miando e olhando para a janela da cozinha. Parecia que estava avisando Camila de que havia alguém a observando. Cássia pegou-a no colo e continuou subindo.
Camila viu que precisava de outro ponto de observação. Avistou uma árvore próxima a uma das janelas. Teria que subir para ver o que acontecia lá em cima. Não gostava muito de altura, mas não podia perder a brilhante oportunidade.
Subiu na árvore rapidamente. A curiosidade era o que movia sua missão.
Ficou em uma posição de vigia. Estava equilibrando-se sobre um galho observando Cássia em seu quarto.
-Ah! O que é isso? – Camila murmurou assustada.  A porta do armário tapou sua visão e um brilho intenso tomou conta do espaço.
A menina Cássia havia sumido. Estava ali um ser brilhante de olhos muito azuis. Os olhos de ... Cássia. 
- Que coisa é essa que ela é? – murmurou Camila.
Os olhos das duas meninas se encontraram. Camila ficou tão assustada, distraiu-se, perdeu o equilíbrio, o galho rangeu. Mais um estalo, galho quebrado. Começou a cair. Rapidamente Cássia voou e conseguiu segurá-la.  Na verdade flutuou.
 - O que é você?  - perguntou Camila já fechando os olhos e desmaiando de susto.
Quando Camila acordou estava no quarto de Cássia.
Olhou e viu aquele ser estranho olhando para ela.
- Você poderia ter se machucado muito. – disse Cássia
- Pois é. Você me pegou não foi?   – concluiu Camila.
- Sim, peguei, mas poderia tê-la deixado cair. Aliás, era isso que deveria ter feito.
Camila começou a ficar assustada com tal resposta. Parecia estar correndo perigo. Teria que dar um jeito de sair dali logo.
- Você não deveria ter me seguido Camila. Estamos aqui com um propósito muito maior do que o teu ciúme. O teu fracasso na dança não tem nada a ver comigo. – falou Cássia.
Camila enrubesceu.
- Tem que ir embora antes de meus pais chegarem. Se eles virem você, será o fim. Nem sei do que eles seriam capazes. A última pessoa que nos descobriu tivemos que eliminar, pois enlouqueceu e contava para todos o que nós éramos.
- Mas afinal o que é você? Onde está tua... pele? – perguntou Camila.
- Somos de outro local. Fora do planeta Terra. Viemos recolher dados para uma invasão.
Nesta hora, Camila se assustou e tentou correr. Foi agarrada por um ser alto e magro com cara de gato. Era a gata branca de Cássia.
- Não tente fugir, antes você terá que tomar isso.  Amanhã, quando acordar, não se lembrará de mais nada. Se lembrar, será seu fim. – alertou Cássia estendendo a garrafa na sua direção.
Camila pegou a garrafa com líquido azul e bebeu devagar. Era gosmenta e tinha um gosto horrendo. Começou a se sentir meio estranha, pernas bambas, até que não enxergou mais nada.
Acordou na manhã seguinte toda molhada. Era uma mistura de suor e urina. Não lembrava de nada do que tinha acontecido. A cabeça doía muito. Juntou os lençóis e a roupa que vestia para levar a lavanderia. Foi tomar um banho, pois fedia demais. Tinha teste no estúdio de dança naquela manhã de sábado.
No estúdio a primeira a apresentar o solo foi Camila. Estava confiante. Tudo parecia perfeito. Todos estavam lá, inclusive Cássia, que observava atentamente Camila.
Quando as duas cruzaram olhares, Camila sentiu um calafrio. Lembrou-se do gosto ruim na boca e dos olhos azuis brilhantes da concorrente.
Logo no início das piruetas, Camila já começou a cair. Não adiantava insistir, ela não conseguia fazer os giros.
Foi a vez de Cássia se apresentar. Brilhantemente perfeita para despertar ainda mais a inveja das meninas. Pois foi no momento em que Cássia flutuava, que Camila lembrou-se do que havia visto no dia anterior e gritou assustando a todos:
- Essa aí é um extraterrestre! ET! ET! ET!
Apenas com o olhar Cássia calou a colega.
Todos olhavam abismados para Camila. Ela não conseguia mais falar, só gesticulava e abria boca como se quisesse soltar um grito, que nesse caso era definitivamente, mudo.
Resolveram encerrar as apresentações e chamar a emergência. Camila estava descontrolada.
Cássia tirou a fala e confundiu o cérebro da jovem colega. Esse era um dos seus principais talentos.
Camila enlouqueceu mesmo. Foi internada em um hospital para doentes mentais.
O ser luminoso visitava ela todas as noites, para conferir seu estado. Precisava garantir o sucesso da sua missão.
Pobre Camila! Nunca mais voltou ao normal.
Durante a invasão alienígena, ficou abandonada junto com os outros pacientes. Todos observaram as naves chegando e os seres luminosos que flutuavam por todos os lados.
Naquele instante, olhando para tudo aquilo, Camila sorriu. Sabia que não era louca afinal. E finalmente, conseguiu falar novamente:
- ET!
Todos no local começaram a falar juntos:
- ET! ET! ET!
Um grande clarão iluminou o céu e cegou seus olhos. Todos foram sugados de uma só vez. Agora Camila já podia flutuar. Estava dançando novamente, como uma bailarina, naquele céu estranhamente colorido.
Por Milene Barazzetti

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Participação na 3ª Feira Literária da EMEI Granjinha - Cachoeirinha

 Espaço maravilhoso para a contação de histórias
 Decoração da Feira Literária e Musical
 Lindos demais

 Alguns dos vários cantinhos literários no espaço da escola... não é uma beleza?

 Momentos da contação das histórias!




 Que alegria estar com vocês! Abaixo uma das turminhas ...
Simplesmente maravilhosa a experiência que tive hoje pela manhã na EMEI Granjinha. Já na chegada me senti em casa, perguntei até para as crianças se poderia morar ali. E olha que eles disseram que sim,rsrsrs.A escola está respirando música e literatura. Fiquei com vontade de ficar por lá mais tempo. Adorei rever amigas, que sei que fazem um trabalho literário maravilhoso. E as crianças? Bom, o que dizer de olhinhos vidrados a me escutar. E depois aqueles abraços gostosos e beijos espontâneos? Foi um verdadeiro momento delícia! Meu coração voltou cheio de alegria!
As histórias que contei foram: A melhor família do mundo (Suzana Lopez), Tininha Cereja (Celso Sisto) e A tartaruga e a fruta amarela (Ricardo Azevedo). Aliás, essa Tininha anda muito convencida, só quer se aparecer nas minhas andanças por aí, rsrsrs.

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Poema "Calmaria" selecionado em Concurso

Estou muito feliz com a seleção do meu poema "Calmaria", no Concurso 100 poemas 100poetas da Editora Literacidade. No link a lista de poemas e poetas. Meu nome está lá! 
http://literacidade.com.br/2013/08/12/a-100-poemas-100-poetas-volume-3/

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Curso na Paulinas - Formar leitores: compromisso de quem? - com Nóia Kern



O que posso dizer sobre uma Oficina ministrada por alguém que ama a literatura e consegue demonstrar isso com um brilho grande no olhar ao sugerir leituras imprescindíveis? Nóia Kern já começa a Oficina nos dizendo algo encantador: "Tenho orgulho de ser professora. E se nascer de novo vou querer ser professora novamente". Ela diz isso com muita veemência e realmente, o que seria de nós se não pudéssemos conviver com essa pessoa maravilhosamente literária, como a Nóia. Eu tive o prazer de conhecê-la no Laboratório de Autoria, ministrado por Celso Sisto, no ano passado. Fiquei muito impressionada com sua sabedoria e muito feliz em tê-la como amiga. Ela se diz apenas leitora, não escritora, mas eu não concordo. Nóia Kern também é escritora, sim!
Na tarde de sexta Nóia conversou sobre o ato de ler, as formas de ler, o incentivo a leitura, entre outras coisas. Comprovou através de uma reportagem do Jornal Zero Hora, que o brasileiro lê muito. Fiquei surpresa, mas ao mesmo tempo, esperava isso mesmo. Acredito que nós professores temos o pensamento errôneo sobre isso, e foi interessante pensar sobre esta questão.
Nóia também nos mostrou alguns projetos que desenvolveu em algumas cidades do RS, citou alguns programas governamentais de leitura, e principalmente sugeriu livros primorosos, que citarei no final do post.
Mais do que isso Nóia Kern comprovou que livro bom não tem idade!
E para finalizar ainda ganhei um belo presente, o livro "A história fora do papel: a oralidade e a multiplicação dos espaços", organizado pelo querido Celso Sisto. Obrigada Nóia! Já estou devorando o livro!
Algumas sugestões da professora Nóia Kern:



domingo, 18 de agosto de 2013

Ganhadora da antologia "Rio dos Bons Sinais"

Com 47 participantes, entre os seguidores do blog e os que compartilharam o post do sorteio no facebook, a sortuda, ganhadora do livro com a minha primeira publicação foi a amiga Tânia Márcia Tomazewski, de Canoas - RS. O sorteio foi feito através do site sorteispt.com.

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Semana com maratona de histórias...Tininha Cereja e carambolices...

 Contação para 60 alunos da EE Otávio Rosa - NH (segunda-feira)


 Alunos da FE5 e 1ºs anos da EMEF José Bonifácio curtindo as histórias (terça-feira)
video
 EMEF Harry Roth ouvindo a história da Tininha, e também "O elefante e a tartaruga", ambas de Celso Sisto (quarta-feira)

 EMEI João de Barro - NH (quinta-feira)
Muitas gargalhadas ouvindo a história da Tininha Cereja
 Muitos sustos na história da tartaruga e a fruta amarela

Olha só a Tininha pulando da história!
 Educação Infantil da Escola Santo Antônio - Portão (sexta-feira)
 Caixa surpresa com elementos da história: O que será? O que será?
Olha a árvore cheia de frutas amarelas aparecendo por aí!
video

Semana agitadíssima e maravilhosamente linda podendo compartilhar histórias com crianças tão queridas!
Abaixo os livros com as histórias que contei: