terça-feira, 30 de abril de 2013

MARÉ CALMA

 Maré calma
Acolhedora.

Lentamente
Inventa o tempo.

Beija-flor visita
Procurando flor
Ou seria amor?

Alma de pássaro
Sem dor
Sedutor.








sábado, 27 de abril de 2013

PROJETO "CONVERSÊ" - com Rogério Andrade Barbosa

Conversa com os alunos do bairro Restinga - Porto Alegre

video

O primeiro encontro do Projeto Conversê, coordenado por Mariana Silveira Patrício, foi hoje. O evento aconteceu em parceria com a AMAlivros, que fica na Rua Leopoldo Fróes, 109, em Porto Alegre.
Neste encontro o convidado principal era o professor e escritor Rogério Andrade Barbosa, que tem grande destaque no trabalho de recontos africanos.
Em um ambiente com muito axé, Rogério, que ontem trabalhou com os alunos de uma escola na Restinga, conversou com os participantes sobre seu histórico como escritor, destacou os provérbios africanos e também as músicas. 
Amo os contos africanos, e conto várias histórias do Rogério nas minhas andanças por aí. Quem gosta da temática, sabe a qualidade do trabalho dele.
 Hoje foi um dia para conhecer um pouco mais sobre cultura africana, fazer novos amigos, como a Kelly, do Projeto Morada da Paz (http://moradadapaz.wordpress.com/), e tantos outros. Acho que o que importa é isso, trocar ideias, discutir propostas e aprender com os outros.
Teve momentos com canto e dança que envolveram todos os participantes.
Destaque para o trabalho do Prof. Mateus Ceni, que apresentou ritmos e folguedos, e colocou todos a dançar.
Parabéns à Mariana e a AMAlivros pela parceria com esse projeto que está apenas começando.
E teve ainda confraternização com feijoada e quindins de sobremesa. Uma gostosura!
O vídeo acima foi um dos momentos mais emocionantes do dia. Rogério nos contou a história que está em seu livro publicado pela Editora Pallas ("Uma ideia luminosa").
Gostaria muito de agradecer a Kelly, que doou para a Biblioteca Fábrica do Saber - NH um livro publicado pela Morada da Paz.
Ah, e como estávamos em um ambiente super agradável, na distribuidora que realmente "ama os livros" (percebe-se pela qualidade literária dos livros disponíveis), saí carregada de boa literatura.
"Conversê" é isso mesmo, uma grande troca de aprendizagens e experiências!
Quem quiser conhecer o trabalho do escritor Rogério Andrade Barbosa pode acessar o link: http://www.rogerioandradebarbosa.com/index.asp

Para conhecer o trabalho da AMAlivros o link é :http://amalivros.blogspot.com.br/

Para saber mais sobre o Projeto "Conversê", que tem o patrocínio do Ministério da Cultura, o email é : converselivraria@outlook.com.





sexta-feira, 26 de abril de 2013

Curso Literatura e suas múltiplas linguagens VI - com Christina Dias

Parabéns Christina Dias e Paulinas Porto Alegre! Início com chave de ouro e muita fantasia do 6º ano do Curso de Literatura e suas múltiplas linguagens. A tarde foi super agradável e proveitosa. Como sempre, Christina consegue dinamizar o trabalho e não deixar ninguém cansado. Bom rever colegas que já fizeram o mesmo curso nos outros anos. Ótimo ver caras novas aproveitando essa grande oportunidade de se pensar a literatura. Turma lotada e animada, que fez belíssimos trabalhos. Hoje o tema era fantasia. Christina conseguiu acordar nossas mentes. Como é difícil deixar o imaginário fluir, sem medo. Destaco o que um dos colegas no grupo colocou como definição para Fantasia: "fantasia é a roupa da alma". E não é mesmo? Fantasiar é algo intrínseco e muito pessoal.
Durante a oficina, além de algumas palavras sempre perfeitas de Manoel de Barros ("Poesia é voar fora da asa"), Christina também fez dinâmicas com os seguintes livros:
1. No cafundó das estrelas, de Sérgio Napp, com ilustrações de Anelise Zimmermann e o projeto gráfico espetacular de André Neves.
2. Na garupa do meu tio, por David Mervelle.
3. Os lugares de Maria, da querida Margarida Botelho.
4. Num mundo perfeito, de Leo Cunha, com ilustrações de Salmo Dansa.






 E fica a dica de Freud aos escritores:
"O escritor criativo faz o mesmo que a criança que brinca. Cria um mundo de fantasia que ele leva muito a sério."

quinta-feira, 25 de abril de 2013

A origem do Milho - Sacrifício à Nhandearu




Minha primeira contação de histórias na Fábrica do Saber.
Como a Biblioteca está fazendo uma exposição sobre os índios Kaiowá, escolhi a lenda da origem do milho para contar às crianças.
Descobri algumas versões. 
Diz a lenda que a tribo guarani estava passando fome pois a natureza nada mais lhe proporcionava. Assim, com esperança de salvar a tribo, dois índios resolveram pedir ajuda ao Criador Nhanderu. Este enviou um espírito guerreiro que pediu como sacrifício a morte de um dos índios em uma luta contra ele. Os índios, mesmo com a ameaça da morte, resolvem arriscar-se na luta, afinal não podiam deixar a tribo morrer de fome. Um dos índios, o mais fraco, acaba morrendo. O outro índio fica tão triste que enterra o amigo ali mesmo. Todos os dias visita o túmulo do amigo morto e conta as histórias da tribo. Com a chegada da primavera, brota no local onde o rapaz foi enterrado, uma planta alta com folhas finas. No centro dela, uma espiga cheia de grãos amarelos. Eis o surgimento da primeira semente do milho pelo sacrifício de um companheiro da tribo. Por conta disso essa tribo aprende a cultivar a semente e nunca mais sente fome.

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Desafio sedutor

Estou de frente com o novo.
Poderia estar com medo.
Ter até calafrios.
Nunca conheci essa flor.
Ela é nova e tão bela.
 
Estou de frente com o novo.
Ele me desafia.
Ela se abre para me receber.
Alívio.
Sensor de inspiração.
 
Tudo isso acontecendo.
Momento Sublime.
Sedutor.
 
 
 

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Algumas sugestões de Livros infantis com temática indígena

Vozes da floresta é um livro imperdível e deve estar em todas as bilbiotecas. Celso reune nesse livro os seguintes contos: "O corpo de Mani", "O nascimento da noite", "Lua branca em céu de prata" e "Alagadiélali". São contos conhecidos, talvez com outros nomes, mas neste livro estão extremamente belíssimos através da escrita de Celso, que colocou toda a sua poesia e emociona o leitor com suas palavras. A história do corpo de Mani, baseado na lenda da mandioca, está no meu repertório como contadora de histórias. É o conto indígena mais lindo que já li, tanto que não consigo conter as lágrimas ao contá-lo.








Índio não quer apito!


Índio não quer apito!
Índio quer respeito!
Quer terra!
Quer direitos!

Índio não quer apito!
Índio quer cantar!
Quer dançar!
Quer trabalhar!

Índio não quer apito!
Índio quer viver!
Quer estudar!
Estar em paz!


Neste dia do índio, o importante é refletir!